Antonio Sobral inaugura ‘individual coletiva’ no Rio

Na quarta-feira (6/6), o espaço SARACVRA e a Residência Artística São João convidam o público a participar da abertura de Pulsa, significante, exposição “individual coletiva” de Antonio Sobral com translocução de Michelle Sommer. A inauguração acontece a partir das 19h e é aberta a todos. A mostra segue em cartaz até 7/7 e reúne um conjunto inédito de obras de Sobral e artistas parceiros. Ao longo do mês, novos trabalhos desenvolvidos a partir de encontros com os visitantes também serão incorporados ao espaço expositivo, expandindo a horizontalidade de autoria.

“Busco o impulso da pulsão, algo inconsciente que nos move, o lado primitivo do sentimento. ‘Significante’ remete à linguagem, ao que construímos para lidar com a essência, com o significado. No cerne da exposição, está o embate entre pulsar e construir significado”, explica o Sobral. Alinhada à visão de Hélio Oiticica, a proposta reitera que o experimental não se define: ele está na própria concreção da invenção. Assim, Pulsa, significante articula impulsos entre agentes múltiplos – artista, curadoria e visitantes – em uma cosmogonia de ações que configuram uma exposição-programa.

“A oferta é em direção à vivência do e no espaço compartilhado, onde o contemplativo torna-se uso ativado por estados de presença”, observa Michelle Sommer. “Optamos por uma mudança terminológica de curadoria para translocução, considerando a construção de outros significados para a prática curatorial. O acompanhamento crítico assume a busca por configurações abertas e horizontais; abdicando de autorias nomeáveis, verticais ou impositivas, em prol de criações colaborativas na prática”, diz.

A EXPOSIÇÃO
Pulsa, significante ocupa três andares do SARACVRA, propondo um percurso entre obras expostas e espaços que podem ser ativados pelo público e pelos artistas convidados da exposição. No térreo, há um espaço de convívio dedicado à alimentação, com cozinha e mercearia de produtos orgânicos e artesanais. Entre o térreo e o primeiro andar, ouvem-se sons que o artista gravou em rituais xamânicos que organizou.
No primeiro andar, há uma biblioteca com edições de Sobral e da Deep editora, além de uma parede que abriga dez cadernos de desenho do artista. Mais 40 desenhos em pequenos formatos estão expostos em outra parede. Uma televisão exibe uma série de curtas documentários sobre a Residência São João. No fundo deste andar, um espaço de cinema exibe “Tempo Gravido”, filme experimental de 27 minutos. “Compõe-se de um diário filmado em super8, que busca o sentimento de estar no mundo”, conta Sobral.
No andar superior estão expostas pinturas em formatos médio e grande, imagens abstratas com cores vivas, onde o gesto é aparente. Há ainda um ateliê de desenho, que será ocupado pelo artista, por visitantes e por convidados da exposição, com uma parede dedicada aos trabalhos que forem surgindo durante o período expositivo. No terraço está a Sala do Afeto, espaço reservado para a troca de afeto, tranquilidade e relaxamento. Isolado por um cortinado de bambus, abriga colchões cor de rosa, um lava-pés e óleos de massagem.
“Os trabalhos expostos foram produzidos nos últimos quatro anos. O processo começou com uma viagem de um ano, comecei a escrever ‘Vitrais’, um livro de poesia, e a rodar o filme ‘Tempo gravido’. Após esse ano nômade, instalei-me na fazenda São João, nas montanhas do Rio, onde produzi as pinturas”, relata Sobral.

A RESIDÊNCIA ARTÍSTICA SÃO JOÃO
A fazenda São João data de 1853, segunda época de expansão do café, e conta com um solar de grande importância histórica. Abriga a residência artística São João desde 2011, tendo recebido cerca de cem artistas, de diversos países e de todas as regiões brasileiras. Vem formando assim um acervo de arte contemporânea que se junta ao acervo de livros e gravuras históricas presente no local. A residência foca em imersão criativa e experimentação, gerando uma produção abundante e parcerias duradouras. A exposição Pulsa, significante recebe uma série de convidados que passaram pela residência, como Alexandre Furcolin, Marina Marchesan, Isadora Brant, Marília Loureiro, Mariana Bley, Alexandre Gwaz, Ricardo Mansur, Alexandre Fenerich, Gabriela Monnerat, Rodrigo Amin, Letícia Naveira, Laura Zimmerman, Carol Medeiros e Maurício Mattos.

O ARTISTA
Antonio Sobral cresceu no Rio de Janeiro. Frequentou a EAV Parque Lage durante 13 anos. Trabalhou no ateliê de Rubens Gerchman e foi assistente de Adriana Varejão. Estudou cinema experimental na Sorbonne, em Paris. Realizou exposições individuais na galeria Avalancha (Buenos Aires), galeria D-concept (São Paulo) e Neon Chocolate Gallery (Berlim), além de coletivas na Dumbo Arts Center (Nova York) e galeria Yapeyu (Buenos Aires). Participou de feiras internacionais de edição independente com seus livros de artista e trabalhou como curador independente no espaço Pony Royal, em Berlim. É o criador da Residência São João e da Deep editora, situadas na fazenda ecológica São João, na região serrana do Rio. Pulsa, significante é sua primeira individual na cidade onde cresceu.

A INTERLOCUTORA
Michelle Sommer atua no ensino, pesquisa, crítica e curadoria de artes visuais. Em 2017, foi co-curadora da exposição Mário Pedrosa: de la naturaleza afectiva de la forma no Museu Reina Sofía (Madri), que obteve o prêmio destaque da Associação Brasileira de Crítica de Arte. É doutora em História, Teoria e Crítica de Arte pela UFRGS com estágio doutoral junto à University of the Arts London na área de estudos expositivos. Mestre em Planejamento Urbano e Regional, arquiteta e urbanista, é autora dos livros Práticas Contemporâneas do Mover-se (2015) e Territorialidade Negra: a herança africana em Porto Alegre, uma abordagem sócio-espacial (2011).

O ESPAÇO
SARACVRA é um espaço de arte independente fundado em 2016 por Bianca Bernardo, César Jordão e Paula Borghi. Reúne artistas, educadores, arquitetos, curadores, pesquisadores, produtores independentes, professores universitários, vizinhos e público espontâneo. Localizado em um antigo sobrado na zona portuária do Rio, integra um conjunto histórico edificado entre 1900 e 1906, ocupando a franja entre o morro da Providência e o mar.

PROGRAMAÇÃO
6/6 (19h) – Abertura com estreia de “Tempo gravido” e jam session do grupo “Escoria do basalto” com videomapping por Mari Bley.

9/6 (17h) – Encontro de desenho capitaneado por Alexandre Furcolin e ONZE, simultâneo a jam session do projeto “Ruído”. Tarot na sala do Afeto com Nadam Guerra.

23/6 (17h) – lançamento de zine por Marina Marchesan. Intervenções de Marilia Loureiro e Isadora Brant.

7/7 (17h) – Encerramento. Festa com os Djs Captain Tony e Amandona.

SERVIÇO
PULSA, SIGNIFICANTE – exposição de Antonio Sobral com curadoria de Michelle Sommer

Abertura: quarta (6/6/2018), às 19h

Onde: SARACVRA (rua Sacadura Cabral, 219, Saúde, Rio de Janeiro)

Classificação etária: livre

Visitação (entrada franca): de quarta a sábado, das 14h as 20h, até 7/7

Informações e agendamentos: (21) 98698-7233 / [email protected] / facebook.com/espacosaracura / instagram: @espaco_saracura

Exposição “PRISMAS”

Por Renato Neves

A criação artística de Renato Neves revela diferentes possibilidades da fotografia como expressão do olhar, além da técnica, o que envolve sensibilidade e emoção com resultados surpreendentes. Trata-se de diferentes prismas de contextos urbanos, naturezas, marinas e geometrizações que ultrapassam a linha divisória da fotografia e da pintura.

Roda Cultural da Cantareira

Essa iniciativa traz a volta da Roda Cultural da Cantareira e tem como objetivo promover a cultura HIP HOP em todas as suas vertentes.

Amanhã
terça-feira => 26/9 às 19:00 até às 0:00h
Cantareira Niteroi
Rua Alexandre Moura 1A – São Domingos, 24140-550 Niterói

– Sarau de poesia
– Batalha de mc’s
– Microfone aberto aos artistas

*Muito rap a noite toda*

*começamos a recolher o nome dos mc’s a partir das 18:30

Início da batalha – 21:00

Mestres de Cerimônia: Nofi Dezordia | Xliveirv

Organização: Roda Cultural Cantareira

Equipe técnica: Roda Cultural da Cantareira

Transversalidades

Blas Rivera Trio apresenta o show “TRANSVERSALIDADES”.
O jazz, o tango e o erudito num mosaico sonoro.

trans2

Blass Rivera
Saxofone e piano
David Chew
Violoncelo
Martín Lima
Bandoneón
Cecilia Gonzales e André Carvalho
Tango

Anote na agenda!
Sexta-Feira – 15 de Setembro, às 20h,
no Teatro Municipal de Niterói
Rua Quinze de Novembro, 35 – Centro, Niterói – RJ.
Tel:(21) 2620-1624

Exposição "Carybé e os múltiplos índios" no Museu do Ingá

Exposição “Carybé e os múltiplos índios”

A mostra conta com acervo da Coleção Banerj, que pertence ao
Estado do Rio de Janeiro. Fica em cartaz até 29 de outubro em Niterói.

A mostra

Foi aberta ao público, no dia último dia 6 de julho, a exposição CARYBÉ e os múltiplos índios, que traz, pela primeira vez após o restauro pelo Laboratório de Conservação da Secretaria de Cultura, LACON, os doze painéis horizontais e verticais (formando um políptico de 395 cm x 475 cm), óleo sobre madeira (1965), intitulado “Embarcações com índios”, de Hector Júlio Páride Bernabó, que integra o acervo de quase novecentas peças que compõem a Coleção BANERJ. Criada pelo artista plástico argentino, naturalizado brasileiro, é composta de 12 painéis a óleo/madeira que, juntos, perfazem uma área de 18m². Esse trabalho foi encomendado ao artista pelo Banco do Estado do Rio de Janeiro, para decorar a agência da Rua da Quitanda, no Rio de Janeiro.

A esta representação se juntam mais de 20 objetos utilitários e de arte indígenas das tribos Tupi Gurani, Karajá, Kaiapó, Katiana, Maracé e Tapajós procedentes dos estados de Goiás, Tocantins, Amapá, Maranhão e Mato Grosso. Passeamos também pela era pré-cabralina, com a arte das urnas funerárias e vasos do grupo indígena Maracá, que viveu há mais de 2.000 anos nas terras do Amapá, com nítida influência Inca e Maia.

Serviço:
Visitação: de quarta a sexta, de 12h as 17h.
Duração: de 6 de Julho a 29 de Outubro de 2017
Local:
Museu do Ingá Rua Presidente Pedreira, 78 Ingá – Niterói – RJ
Informações:
Museu: Visita espontânea: de quarta a sexta, de 12h as 17h. Mais informações: 2717-2903 Visita Mediada: de quarta a sexta, de 12 às 17h, mediante agendamento prévio através do e-mail [email protected] ou pelo
tel.: 2717-2903. Entrada franca

Fonte: http://www.cultura.rj.gov.br/espaco-evento/museu-do-inga/exposicao-carybe-e-os-multiplos-indios-no-museu-do-inga

Dois artistas, duas técnicas, uma coletânea de celebridades: Interfaces no Unilasalle-RJ

 

A exposição Interfaces traz em comum a marca da poética expressionista, cuja interpretação de diferentes personagens é expressa através do tom pop, presente nas obras do artista Carlos Hélio (CHA), e dos traços acentuados, das caricaturas criadas pelo artista André Brown. Entre o humor do traço e as cores vibrantes, os artistas evidenciam a riqueza da construção simbólica em torno das diferentes representações artísticas.

Os rostos de Ayrton Senna, Jimi Hendrix e Monalisa ganham uma sobreposição de cores que fazem lembrar a Pop Art e o Realismo Espontâneo. A inspiração para as obras? Nomes como o original pintor Andy Warhol (1927-1987). Já Jorge Amado, Toquinho e Noel Rosa têm os traços de determinadas características acentuados ao ponto do exagero, um indício de se tratar da caricatura, a mesma arte que faz de Jaguar um ícone. E assim, entre técnicas e ídolos diversos, a Galeria La Salle recebe os trabalhos de Carlos Hélio Almeida, o CHA, e André Brown, na mostra “Interfaces”, em cartaz a partir do dia 14 de agosto.
Saiba +

Serviço:
Inauguração: Dia 14 de agosto, segunda-feira, às 18h30
Permanência: De 14 de agosto a 01 de setembro de 2017
Segunda a sexta-feira, das 9h às 21h
Endereço: Galeria La Salle — Unilasalle-RJ — Rua Gastão Gonçalves, 79, Santa Rosa
Aguardamos a sua presença!